Curiosidades

TROMBOSE VENOSA

A Trombose Venosa Profunda é uma doença na qual o sangue coagula no interior das veias, que são os vasos sanguíneos que levam o sangue de volta ao coração. A coagulação é um mecanismo de defesa do corpo, porém se torna um perigo quando ela ocorre em um local ou momento não adequado. Em cerca de 90% dos casos, o problema prejudica os membros inferiores e provoca sintomas como inchaço e dor.

Os fatores de risco da Trombose Venosa Profunda são:

  • Uso de anticoncepcionais ou tratamento hormonal;
  • Tabagismo;
  • Presença de varizes;
  • Insuficiência cardíaca;
  • Tumores malignos;
  • Obesidade;
  • História prévia de trombose venosa;
  • Idade avançada;
  • Anormalidade genética do sistema de coagulação.

Às vezes, a doença permanece assintomática no corpo, dificultando o diagnóstico clínico. Por isso, o exame mais recomendado é o Eco Doppler, tendo a Tomografia Computadorizada como exame complementar para avaliar a situação do paciente.

Fontes: Sociedade Brasileira de Angiologia e Cirurgia Vascular e Colégio Brasileiro de Radiologia e Diagnóstico por Imagem

 

 LINFEDEMA

  • O sistema linfático contém células que protegem o organismo de macromoléculas estranhas, vírus, bactérias e outros micro-organismos, além de eliminar células alteradas e células velhas, principalmente as sanguíneas. Levando em conta a importância desse sistema para o corpo, é necessário alertar para um problema conhecido como Linfedema.
  • Também chamada de Linfopatia, essa é uma doença crônica que se manifesta pelo acúmulo de líquido intercelular de composição altamente proteica no tecido subcutâneo, localizado abaixo da pele. Ela é resultado da insuficiência da drenagem linfática por anomalidades congênitas ou adquiridas do sistema linfático.
  • Entre os fatores de risco que agridem o sistema linfático, constam infecções, traumas, cirurgias, radioterapia, tumores (metástases ou invasões), insuficiência venosa crônica, micoses profundas e outros.
  • O linfedema prejudica as extremidades do corpo, na maioria membros inferiores. Nas fases iniciais da doença, podem aparecer inchaços (edemas), reversíveis após repouso. Já nos estágios mais avançados, há risco da pessoa ficar com elefantíase (deformidades da extremidade com alteração da forma).
  • Por esse motivo, é muito importante que o diagnóstico precoce seja feito, com objetivo de evitar que graves alterações ocorram. Por meio de análise clínica e estudo de exames de imagens – como Tomografia Computadorizada e/ou Ressonância Magnética – solicitados, o especialista poderá avaliar a situação do paciente e sugerir o tratamento adequado.
  • Fontes: Sociedade Brasileira de Angiologia e de Cirurgia VascularJornal Vascular Brasileiro e Universidade Federal do Rio Grande do Sul

ALZHEIMER 

Com o aumento da expectativa de vida da população mundial nas últimas décadas, o Alzheimer se tornou um problema ainda mais temido. Estimativas apontam que existem cerca de 1,2 milhões de casos apenas no Brasil, muitos deles ainda sem diagnóstico. Hoje, a doença é a principal causa de demência, afetando principalmente indivíduos com mais de 60 anos.

Se houver diagnóstico precoce, as chances de retardar a evolução da doença e ter maior controle sobre os sintomas do Alzheimer aumentam.Tais atitudes garantem uma maior qualidade de vida ao paciente e à família.

A doença foi descrita pela primeira vez pelo médico Alois Alzheimer, em 1906. Até hoje, infelizmente, as razões pelas quais ela surge ainda não são conhecidas.

O Alzheimer, por definição, é a perda das funções cognitivas (como memória, orientação, atenção e linguagem), causadas pela morte de células do cérebro. Os danos ocorrem de maneira lenta, progressiva e não homogênea. O problema se agrava ao longo do tempo e prejudica o cérebro por inteiro em 10 anos. Ainda assim, na maioria dos casos, ele pode ser tratado.

Fatores de Risco
Apesar da doença não ser hereditária, pessoas com casos na família tem mais probabilidade de serem afetadas. A idade é um dos principais fatores, válido para qualquer tipo de pessoa: após os 65 anos de idade, o risco dobra a cada 5 anos. Além disso, é necessário tomar cuidado caso tenha problemas com hipertensão, obesidade, diabetes, tabagismo e sedentarismo.

Sintomas
Eles dependem da região afetada. Em geral, inicia-se pela memória, representando a fase mais complexa de reconhecimento, uma vez que esses sintomas podem ser confundidos com o processo normal de envelhecimento. Quando acomete a área do cérebro responsável pela linguagem, o resultado é a dificuldade para encontrar palavras e dar nomes a objetos. Dependendo da fase, há ainda o comprometimento do comportamento, em que são registradas situações de apatia, depressão e até agressividade.

Diagnóstico
Caso suspeite que você ou alguém da sua família possa ter a doença, marque consulta com um Neurologista. Ele fará um teste das funções cognitivas e poderá pedir uma Ressonância Magnética ou uma Tomografia Computadorizada para excluir o diagnóstico de outras doenças que tenham sintomas similares. A partir dos resultados, o médico indicará os próximos passos para cuidar do caso da melhor forma possível.

Fontes: Associação Brasileira de Alzheimer, Instituto da Memória e Instituto Alzheimer Brasil.

Mal de Parkinson

O Mal de Parkinson é uma doença degenerativa do sistema nervoso central, crônica e progressiva, causada pela diminuição da produção de dopamina, um neurotransmissor que ajuda na realização dos movimentos voluntários do corpo. Na falta dessa substância, a pessoa perde o controle motor, ocasionando alguns sintomas característicos.

Confira abaixo cada um desses sintomas do Mal de Parkinson:

Tremores

Se você sente tremores nos dedos, polegares, mãos, queixo ou lábios, é bom consultar um especialista. Nesses casos, é comum as pernas sacudirem quando a pessoa está sentada ou relaxando.

Não é Parkinson: quando você sente tremor após fazer muitos exercícios físicos, quando estiver ferido ou por causa de medicamentos tomados.

Letra miúda

Perda de olfato

Problemas durante o sono

Rigidez no corpo

Constipação intestinal

Alterações na voz

Rosto estático ou olhar vidrado

Tontura ou enfraquecimento

Andar curvado

Quando uma pessoa está envelhecendo, é normal que ocorra a morte gradativa das células nervosas que produzem dopamina. A diferença dessa pessoa para aquela que tem Mal de Parkinson é que a segunda perde tais células nervosas em ritmo acelerado. Infelizmente, ainda não foi descoberto o motivo da morte repentina nos casos de Parkinson.

Estatísticas apontam que o Mal de Parkinson costuma se manifestar em torno dos 60 anos de idade, em ambos os sexos e todas as raças, embora 10% ocorram antes dos 40 e até em menores de 21. Os sintomas aparecem, inicialmente, só de um lado do corpo, para depois atingir o corpo inteiro.

O diagnóstico, feito por um médico neurologista, é basicamente clínico, mas pode ser que alguns exames de imagem sejam pedidos como complemento. Os exames de diagnóstico por imagem são a Tomografia Computadorizada e a Ressonância Magnética.

Fontes: Associação Brasileira de Neurologia e National Parkinson Foundation

 

TOMOGRAFIA COMPUTADORIZADA

A Tomografia Computadorizada (TC) é um exame rápido e simples. A TC utiliza um aparelho de Raios-X que gira em torno do corpo, fazendo radiografias transversais. Estas radiografias são convertidas em imagens por um computador, chamados cortes tomográficos. Isto quer dizer que, a TC constrói imagens internas das estruturas do corpo e dos órgãos através de cortes transversais, de uma série de seções fatiadas que são posteriormente montadas pelo computador para formar um quadro completo. Portanto, com a TC o interior de seu corpo pode ser retratado com precisão e confiança para ser depois examinado.

Contraste Utilizado

 Iodado não-iônico

Contra indicações

 Gestantes.

Restrições

 Necessário que o cliente informe se apresenta alergia a medicamentos e/ou alimentos. Importante informar se está amamentando, para avaliar a necessidade de reserva de leite materno (possível uso do contraste). Doenças como asma, bronquite ou diabetes, devem ser informadas.

Condutas

 Cada exame possui uma Conduta a ser tomada e que deverá ser confirmada no momento do agendamento.

 Antecedência.

 Pedido médico e/ou guia liberada.

 Documentos (RG, CPF e Cartão do Convênio).

 Exames anteriores.

 Jejum de 03:00h que antecedem o exame (exceto para Denta CT, Escanometria por TC e “TC de Joelhos (Protocolo de Lyon)”.